Leitura: Desobediência civil, de Henry David Thoreau

Image

Minha vontade de ler esse livro remonta a vez em que assisti, pela primeira vez, o filme maravilhoso do Sean Penn, cujo post de suas frases faz tanto sucesso neste blog: Na Natureza Selvagem (Into The Wild).

Finalmente chegaram em minhas mãos duas obras de Henry David Thoreau: Desobediência civil e Walden. A primeira eu acabei de ler e, a seguir, ainda neste post coloquei frases que fui sublinhando no decorrer de minha leitura, por achá-las significativas. O que posso dizer sobre Desobediência civil é que se trata de um livro pequeno, porém inquietante. Te leva a refletir sobre democracia e consciência individual, colocando essas duas questões em um conflito. Questiona a validade de se argumentar a verdade, ou a razão, como sendo sempre aquilo que é pautado pela maioria de um grupo ou uma sociedade. Também é interessante perceber o quanto são atuais as críticas que Thoreau faz a seu país, os Estados Unidos, em meados do século XIX.

Era isso. Espero que curtam as frases!

Image

“Não poderá existir um governo em que a consciência, e não a maioria, decida virtualmente o que é certo e o que é errado? Um governo em que as maiorias decidam apenas aquelas questões às quais se apliquem as regras de conveniência? Deve o cidadão, sequer por um momento, ou minimamente, renunciar à sua consciência em favor do legislador? Então por que todo homem tem uma consciência?”

“A única obrigação que tenho o direito de assumir é a de fazer a qualquer tempo aquilo que considero direito.”

“A lei jamais tornou os homens mais justos, e, por meio de seu respeito à ela, mesmo os mais bem-intencionados transformam-se, diariamente, em agentes da injustiça.”

“Um homem sábio não deixará o direito à mercê do acaso, nem desejará que ele prevaleça por meio do poder da maioria. Não há senão uma escassa virtude na ação de multidões de homens.”

“Vim a este mundo não, essencialmente, para fazer dele um bom lugar para se viver, mas para viver nele, seja bom ou mau.”

“(…) não importa quão limitado possa parecer o começo: aquilo que é benfeito uma vez está feito para sempre.”

“Num governo que aprisiona qualquer pessoa injustamente, o verdadeiro lugar de um homem justo é também a prisão.”

“Dá o teu voto inteiro, não uma simples tira de papel, mas toda tua influência. Uma minoria é impotente enquanto se conforma à maioria, nem chegando a ser uma minoria, então; mas torna-se irresistível quando se põe a obstruir com todo o seu peso.”

“O Estado nunca enfrenta, intencionalmente, a consciência intelectual ou moral de um homem, mas apenas seu corpo, seus sentidos. Não está equipado com inteligência e honestidade superiores, mas com força física superior.”

“Se uma planta não consegue viver de acordo com sua natureza, ela morre. Assim também é com o homem.”

“Será a democracia, tal como a conhecemos, o último desenvolvimento possível em matéria de governo? Não será possível dar um passo mais além no sentido do reconhecimento e da organização dos direitos do homem? Jamais haverá um estado realmente livre e esclarecido até que este venha a reconhecer o indivíduo como um poder mais alto e independente, do qual deriva todo seu próprio poder e autoridade, e o trate da maneira adequada.”

“Desobediência Civil”, de Henry David Thoreau. Ed. L&PM POCKET

0 Responses to “Leitura: Desobediência civil, de Henry David Thoreau”



  1. Deixe um Comentário

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s





%d bloggers like this: